Coerência, Medicina e Saúde

Cada vez mais fica evidente que a informação segura tem um efeito positivo sobre a Saúde, por reduzir o estresse, a angústia e a ansiedade.

Quando temos acesso a conteúdo confiável, principalmente na área da Medicina, a segurança gera estabilidade e bem-estar. Por saber disto, tenho acompanhado as publicações científicas e selecionado artigos de referência e alta qualidade.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), “ uso racional de medicamentos quando o paciente recebe medicação para a sua condição clínica em dose adequada às suas necessidades individuais, por um período adequado e ao menor custo para si e para a comunidade”.


Nesta semana em que há o alerta sobre o tema (05 de maio é o Dia Nacional de Uso Racional de Medicamentos), desejo convidá-lo para esta reflexão.


Pode parecer um campo estritamente técnico, no entanto, se você observar melhor, verá que tem relação com a Medicina, ou seja, com conjunto de conhecimentos relativos à manutenção da saúde, bem como à prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças.

Medicina, portanto, tem relação ampla com a sua saúde, sendo, certamente, uma de suas prioridades.

Diante da pandemia de COVID-19 e do intenso trabalho médico-científico para enfrentá-lo, convido-o a analisar o cenário de forma realista.

Atualmente, há muitos médicos e pesquisadores, no Brasil e no mundo, que se manifestam favoravelmente ao tratamento precoce da infecção pelo coronavírus, como Dra. Nise Yamaguchi, Dr. Paolo Zanotto, Dr. Luciano Azevedo, Dr. Zelenko e Dr. Didier Raoult.

Entre eles há o seguinte consenso: se o paciente apresenta os sintomas iniciais (tosse, coriza, febre) e o exame para COVID-19 é positivo, inicia-se o tratamento com Hidroxicloroquina, Azitromicina e Zinco, entre o 2° e o 4° dia, em domicílio.


Em geral, não será necessária internação em UTI, entubação e uso de respirador.

Obviamente, este tipo de tratamento contempla o uso racional de medicamentos, pois o paciente recebeu a medicação adequada, segura e de baixo custo, em dose correta, pelo menor tempo possível.

Existe alta taxa de recuperação, evitando-se sofrimento e risco de morte, além de gastos excessivos.

Diante de todos estes aspectos, ressalto um elemento de grande importância: as experiências obtidas com os tratamentos clínicos e as evidências científicas devem ser usadas de forma ética e independente, estritamente para o benefício do ser humano, de sua vida e de sua saúde.

Somente assim, com coerência no uso do saber, a Medicina estará verdadeiramente a serviço da Saúde. Façamos valer!

Dra. Ana Cristina C. L. Malheiros


Links complementares:

- Entrevista com médica antroposófica,oncologista e imunologista, Dra. Nise Yamaguchi;

https://www.youtube.com/watch?v=ozuf7W3ZEFI&feature=youtu.be


- Artigo "Coronavírus - de Norte a Sul da Itália, 1039 pacientes tratados com Hidroxicloroquina em casa".

https://www.ilfattoquotidiano.it/2020/04/28/coronavirus-da-nord-a-sud-1039-pazienti-trattati-a-casa-con-idrossiclorochina-il-punto-sulla-sperimentazione-crollo-dei-ricoveri/5783544/




1 comentário